Seguidores

domingo, 17 de maio de 2009

O amor nas estações


Imagem tirada da internet


Nosso começo foi tão lindo, repleto de emoções, de carinhos, de aconchego. Estávamos nos conhecendo, nos reconhecendo.
Quando você me ligava, só para dizer um “oi”, me deixava nas nuvens. Eu te ligava e sentia como você ficava feliz. Não passávamos um dia sem nos falarmos! Era assim que estávamos nos reconhecendo, esse era nosso compromisso diário.
Quando nos encontrávamos, você me abraçava e me levantava. Sentia-me leve, protegida, feliz. O beijo então, uma suave caricia.
Era primavera, estação das flores. O perfume estava no ar, o seu perfume, o meu perfume, onde estes se misturavam formando um suave frescor de encanto e amor. Você me levava por caminhos que eu não conhecia, me fez provar dos sabores doces de seus beijos e do aconchego de seus braços em que eu nunca havia sentido. Nosso jardim de amor.


Imagem retirada da internet

Os dias foram passando, o verão se iniciou. O nosso amor esquentou junto à estação, beijos quentes, abraços em brasas. Paixão é a palavra certa para descrever nossos momentos.

As ligações continuavam, os encontros inesquecíveis e o amor, ah esse amor, que aumentava, que explodia em êxtase a cada dia, a cada momento, a cada olhar.
Cada toque, cada olhar, me permitia sonhar, sentir. Amar-te.



Imagem retirada da internet

Outono, as folhas começavam a cair e com elas minhas expectativas de amor. Os ventos sopravam, ventos frios e não era inverno! Quis correr contra eles, mas esse vento me perseguia, batia contra o meu rosto, onde caía uma lágrima.
Será pressentimento o que eu sentia neste momento? Algo estava errado. Mas eu ainda lutei, lutei. O vento vinha, mas eu me desviava. Só sentia a brisa, não tão suave, mas eu ainda resistia.
No meu pensamento, sua imagem ainda vivia. Quando te via, ainda sentia. Meu amor era o meu alicerce. Ainda tinha esperanças que nossos olhares ainda voltassem a brilhar juntos.
O tempo passou, o outono se foi, as folhas já não caem.


Estava frio, muito frio.





Não havia calor em meu viver, a tristeza fazia parte de meu ser. O fim chegou junto com o inverno.
Essa tristeza estava me acompanhando dia a dia. Tocava o despertador, ela estava comigo e me acompanha até o raiar do dia. Não, ela vinha comigo nos meus sonhos também!
Em todos os momentos ela estava comigo. Ensinou-me a provar o amargo, a conhecer a dor, a desilusão. Estava me matando aos poucos. Eu sentia dor onde nunca imaginaria sentir.


Chegou um dia, em que eu percebi que minha única companheira era essa bendita tristeza. Tivemos uma conversa, e decidimos que ela não tomaria conta mais de mim. Eu precisava me libertar, necessitava me reencontrar. Ela concordou, mas desde que eu seguisse algumas regras:
Determine-se a não sofrer;
Busque o prazer;
Busque dentro de você pensamentos de paz, de harmonia;
Aceite os obstáculos que a vida nos impõe;
Viva cada momento a seu tempo;
Deposite a construção de sua felicidade apenas em você. Quando você aprender a se amar, você encontrará o caminho para o amor.
Seja feliz, mas completamente.
E lembre-se, eu estarei por perto e poderei voltar a qualquer instante.


A partir daquele momento eu mudei, aprendi muito com esta minha amiga tristeza, aprendi o que é dor, o que é solidão, o que é não ser nada, se sentir um grãozinho no meio do deserto.

Eu não tô aqui pra sofrer, vou sentir saudade pra que, quero ser felizBye, bye, tristeza não precisa voltar (Sandra de Sá).

Comecei a viver, recomecei, pois percebi que nunca é tarde para ser feliz. O que passou, passou e que a felicidade não está no viver e sim em saber viver.

Sabe, de repente remexendo em meu coração, te encontrei em um cantinho, meio opaco, tímido, sem luz. E pensar que você já foi dono de cada batida de meu coração! E agora, olha só o que restou! Percebi neste momento que te esqueci, você ainda estava lá, mas não era mais importante. O importante agora sou eu.

O tempo passou, sinto cheiros no ar, é a primavera em seu magnífico esplendor.
Sinto um perfume, suave como uma brisa de verão. Passa por mim e fica.



O vento te trouxe


De repente uma brisa...
De tão suave
Senti seu toque,
Um calafrio forte...


Uma aproximação.
Vestígios de uma paixão!
Um calafrio novamente
Agora se sente...


De repente a brisa
Torna-se quente...
Tocando o coração
Uma suave emoção...


Toma conta do meu ser.
A suave brisa
Embriaga me viver...
A suave brisa... Fica...


Instala-se em meu coração!
É o amor que veio
Com a brisa e
Se fixou com o vento...



Débora F.